Ministros Extraordinários da Comunhão: Um serviço a Deus e ao próximo numa grande reportagem Voz de Santo Ildefonso

12A Voz de Santo Ildefonso traz hoje até si o testemunho do ser Ministro da Comunhão. Já em  Fevereiro deste ano estivemos à conversa com Júlio Rocha, ministro na comunidade que nos deu o seu testemunho de forma particular. Agora é nas palavras de António Calçada Loureiro que podemos realmente perceber qual a função deste colectivo composto por quatro elementos que servem a paróquia. É a partir das palavras que enviou à redacção da Voz, que fica a explicação deste serviço. Tal como escreveu “É ao Bispo da Diocese que pertence a nomeação dos Ministros Extraordinários da Comunhão, encontrando-se a disciplina canónica deste ministério consagrada no cânone 230 do código do Direito Canónico. Na nossa paróquia o grupo dos ministros é, talvez, o mais pequeno, sendo constituído apenas por 4 pessoas. A sua maior visibilidade é na eucaristia dominical das 10h, nas missas solenes, alturas em que auxiliam o celebrante na distribuição da sagrada comunhão pelos fiéis presentes. Outra das tarefas que executam é a de presidirem à celebração da Palavra na nossa Igreja, especialmente durante as férias do pároco. Actualmente os Ministros Extraordinários levam a comunhão, semanalmente, a mais de 20 doentes da paróquia fazendo assim, a ligação entre os fiéis da comunidade, aproximando os mais frágeis, devido à sua condição física ou à idade, da família paroquial que se reúne semanalmente na eucaristia. Por isso sendo esta a tarefa menos visível é, sem dúvida, aquela que para cada um deles é a mais gratificante e simultaneamente a mais enriquecedora.” Uma experiência que fica a conhecer, pelas palavras de quem a todas as semanas torna possível este relato.