Liturgia – Domingo I do Advento | Ano C

EVANGELHO
Lucas 21, 25-28.34-36  

«A vossa libertação está próxima»

A vinda do Senhor, a sua última vinda, ou talvez melhor, o último momento da vinda que Ele inaugurou quando Se fez homem e veio habitar no meio de nós, é, de novo, proclamada nesta leitura. E com que solenidade! E com que exigências! Mas, no fundo, será esse o momento supremo da nossa libertação, porque o Senhor, que vem, vem como Salvador. O Advento é o tempo particularmente consagrado a viver nesta expectativa.

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, disse Jesus aos seus discípulos: «Haverá sinais no sol, na lua e nas estrelas e, na terra, angústia entre as nações, aterradas com o rugido e a agitação do mar. Os homens morrerão de pavor, na expectativa do que vai suceder ao universo, pois as forças celestes serão abaladas. Então, hão-de ver o Filho do homem vir numa nuvem, com grande poder e glória. Quando estas coisas começarem a acontecer, erguei-vos e levantai a cabeça, porque a vossa libertação está próxima. Tende cuidado convosco, não suceda que os vossos corações se tornem pesados pela intemperança, a embriaguez e as preocupações da vida, e esse dia não vos surpreenda subitamente como uma armadilha, pois ele atingirá todos os que habitam a face da terra. Portanto, vigiai e orai em todo o tempo, para que possais livrar-vos de tudo o que vai acontecer e comparecer diante do Filho do homem».
Palavra da salvação.

screen shot 2015-11-03 at 14.38.07

Caminhada de Advento – Natal 2015-2016

 

Há mais alegria em dar (-se) (At 20,35)!

Felizes os misericordiosos (Mt 5,7)!

“Queremos uma Igreja que faça experiência da misericórdia de Deus e que a traduza em toda a sua vida” (Plano Diocesano de Pastoral – PDP –  2015-2020, pág. 30).  Inspirada neste sonho e alicerçada nesta vontade, pretende-se com estaCaminhada de Advento – Natal de 2015-2016, a exemplo do que fizemos no ano passado, unir, congregar e mobilizar toda a comunidade diocesana, dando assim seguimento ao fortalecimento da pastoral da comunhão e ao caminho sinodal que desejamos para a nossa Diocese. É uma proposta de vivência semanal do “tempo favorável” que Deus nos oferece para preparar e celebrar o nascimento de Jesus. Guia-nos nesta proposta o lema deste Ano Pastoral: “A Alegria do Evangelho é a nossa missão: felizes os misericordiosos”. Pensada à luz da estrela que brilha em cada Natal e envolvida pela ternura, pela bondade e pela misericórdia de Deus que nos envia o Seu Filho nascido de Maria, esta Caminhada ajudará, assim, as famílias e as comunidades da nossa Diocese: a descobrir a condição alegre e feliz da nossa identidade cristã (PDP, pág. 35); a ser uma Igreja decidida a construir a fraternidade, mediante a partilha de dons, com  uma atenção privilegiada aos mais pobres e frágeis da sociedade (PDP, pág. 29); a promover uma educação ecológica, uma cultura de respeito pelos bens da Criação e uma vida sóbria e simples em cada pessoa, família e comunidade (PDP, pág. 19); a traduzir nos sentimentos, nos gestos e nas atitudes o “rosto” acolhedor e missionário da Igreja do Porto, Mãe de bondade, de ternura e de misericórdia, a exemplo de Maria, Mãe de Jesus. O Natal possui o fascínio e tem a missão de nos fazer concretizar o sonho de Deus para a Humanidade, celebrado, vivido e contemplado no mistério da encarnação de Jesus, Filho de Deus. Não podemos guardar esta Alegria – a Alegria do Evangelho do Natal – só para nós. Somos convidados a preparar com todos os vizinhos ou os estranhos, os “caminhos do Senhor” e a acolher o mistério do Natal no presépio do coração humano. Como dom oferecido a toda a Humanidade, este mistério do Natal tem de concretizar-se em obras de misericórdia e em gestos de fraternidade, que levem a alegria do Evangelho a todas as periferias do mundo. Comecemos pelas famílias, grupos paroquiais, movimentos apostólicos e comunidades, este anúncio partilhado da Alegria do Natal. Iniciemos, aí, este caminho ao encontro de Jesus e em busca de proximidade e de fraternidade com os mais pobres e com os mais simples. Enchamos em cada semana o “cesto” dos nossos dons para que eles se transformem em “cabaz” de generosidade, em “manjedoura” que acolhe e abriga a vida e em “sinal vivo” da misericórdia e da salvação de Deus para todos. Ninguém é indiferente ao Natal, mesmo que não tenha fé! Pertence-nos, como cristãos, fazer do Natal de Jesus dom de Deus para as famílias, comunidades, serviços, secretariados diocesanos e instituições da Igreja e do Mundo. A Caminhada, que agora propomos, não se destina apenas ao percurso catequético, aos grupos de jovens, ou às celebrações dominicais mas a toda a Comunidade e a cada Família. Dirige-se a toda a Diocese e a cada um dos diocesanos do Porto. A todos deve envolver, integrar, acolher e mobilizar. Leva-nos esta Caminhada de Advento – Natal ao encontro de Jesus, para que, a partir deste encontro, como aconteceu com Maria e José, com os anjos de Deus, com os pastores, com os magos e com tantos discípulos missionários de todos os tempos saibamos fazer da “Alegria do Evangelho a nossa missão” e proclamar com a palavra e com as obras: “Felizes os misericordiosos!”

Porto, 28 de outubro de 2015

+  António Francisco dos Santos

+ António Taipa

+  João Lavrador

+  Pio Alves