Liturgia – Domingo IV da Quaresma 06/03/16

EVANGELHO
Lucas 15, 1-3.11-32

 «Este teu irmão estava morto e voltou à vida»

A liturgia de hoje convida-nos à descoberta do Deus do amor, empenhado em conduzir-nos a uma vida de comunhão com Ele.
O Evangelho apresenta-nos o Deus/Pai que ama de forma gratuita, com um amor fiel e eterno, apesar das escolhas erradas e da irresponsabilidade do filho rebelde. E esse amor lá está, sempre à espera, sem condições, para acolher e abraçar o filho que decide voltar. É um amor entendido na linha da misericórdia e não na linha da justiça dos homens.
A segunda leitura convida-nos a acolher a oferta de amor que Deus nos faz através de Jesus. Só reconciliados com Deus e com os irmãos podemos ser criaturas novas, em quem se manifesta o homem Novo.
A primeira leitura, a propósito da circuncisão dos israelitas, convida-nos à conversão, princípio de vida nova na terra da felicidade, da liberdade e da paz. Essa vida nova do homem renovado é um dom do Deus que nos ama e que nos convoca para a felicidade.

3610

Evangelho de Nosso Senhor Jesus Cristo segundo São Lucas
Naquele tempo, os publicanos e os pecadores aproximavam-se todos de Jesus, para O ouvirem. Mas os fariseus e os escribas murmuravam entre si, dizendo: «Este homem acolhe os pecadores e come com eles». Jesus disse-lhes então a seguinte parábola: «Um homem tinha dois filhos. O mais novo disse ao pai: ‘Pai, dá-me a parte da herança que me toca’. O pai repartiu os bens pelos filhos. Alguns dias depois, o filho mais novo, juntando todos os seus haveres, partiu para um país distante e por lá esbanjou quanto possuía, numa vida dissoluta. Tendo gasto tudo, houve uma grande fome naquela região e ele começou a passar privações. Entrou então ao serviço de um dos habitantes daquela terra, que o mandou para os seus campos guardar porcos. Bem desejava ele matar a fome com as alfarrobas que os porcos comiam, mas ninguém lhas dava. Então, caindo em si, disse: ‘Quantos trabalhadores de meu pai têm pão em abundância, e eu aqui a morrer de fome! Vou-me embora, vou ter com meu pai e dizer-lhe: Pai, pequei contra o Céu e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho, mas trata-me como um dos teus trabalhadores’. Pôs-se a caminho e foi ter com o pai. Ainda ele estava longe, quando o pai o viu: encheu-se de compaixão e correu a lançar-se-lhe ao pescoço, cobrindo-o de beijos. Disse-lhe o filho: ‘Pai, pequei contra o Céu e contra ti. Já não mereço ser chamado teu filho’. Mas o pai disse aos servos: ‘Trazei depressa a melhor túnica e vesti-lha. Ponde-lhe um anel no dedo e sandálias nos pés. Trazei o vitelo gordo e matai-o. Comamos e festejemos, porque este meu filho estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi reencontrado’. E começou a festa. Ora o filho mais velho estava no campo. Quando regressou, ao aproximar-se da casa, ouviu a música e as danças. Chamou um dos servos e perguntou-lhe o que era aquilo. O servo respondeu-lhe: ‘O teu irmão voltou e teu pai mandou matar o vitelo gordo, porque ele chegou são e salvo’. Ele ficou ressentido e não queria entrar. Então o pai veio cá fora instar com ele. Mas ele respondeu ao pai: ‘Há tantos anos que eu te sirvo, sem nunca transgredir uma ordem tua, e nunca me deste um cabrito para fazer uma festa com os meus amigos. E agora, quando chegou esse teu filho, que consumiu os teus bens com mulheres de má vida, mataste-lhe o vitelo gordo’. Disse-lhe o pai: ‘Filho, tu estás sempre comigo e tudo o que é meu é teu. Mas tínhamos de fazer uma festa e alegrar-nos, porque este teu irmão estava morto e voltou à vida, estava perdido e foi reencontrado’».
Palavra da salvação.

Faixa publicitária

Caminhada diocesana

Quaresma-Páscoa 2016 

 

pascoa2016

Pratica a misericórdia, com alegria! (Rom.12.8) 

Felizes os misericordiosos! (Mt.5,7)

Esquema-Resumo da caminhada

 Apresentamos, por fim, um esquema-resumo da caminhada e alguns anexos que podem ser úteis à compreensão e aplicação desta caminhada. A exiguidade de elementos, no quadro seguinte, é propositada, no sentido de “inspirar e nunca cercear a atividade e a criatividade das vigararias e paróquias, dos secretariados e serviços diocesanos, das comunidades religiosas e institutos de vida consagrada, dos movimentos e obras, das instituições e associações da Diocese” (PDP, 2015, p.2).

DA QUARESMA À PÁSCOA: REDESCOBRIR E PRATICAR AS OBRAS DE MISERICÓRDIA CORPORAIS

 

Da quaresma à páscoa Referências bíblicas

a partir do lecionário dominical c

Obras de misericórdia

Corporais  (omc)

PROPOSTAS

DE ORAÇÃO

1ª Semana Nesses dias, [Jesus] não comeu nada

e passado esse tempo sentiu fome!

(Evangelho)

Dar de comer

a quem tem fome!

(1ª OMC)

 

Oração para a

Bênção da mesa

 

2ª Semana

Disse Pedro:

Façamos três tendas…

(Evangelho)

 

Dar pousada

aos peregrinos!

(4ª OMC)

 

 

Oração ao

Anjo da Guarda

 

 

3ª Semana

Bebiam de um rochedo espiritual

que os acompanhava, que era Cristo!

(2ª leitura)

 

Dar de beber

a quem tem sede!

(2ª OMC)

 

 

Participar na iniciativa

“24 horas para o Senhor”

4ª Semana

 

Trazei depressa

a melhor túnica e vesti-lha!

(Evangelho)

 

Vestir os nus!

(3ª OMC)

 

 

Oração do

Pai-Nosso

5ª Semana

 

O regresso dos cativos (1ª leitura)

 

Fazei, regressar, Senhor, os nossos cativos! (Sal.125 /126)

 

Vai e não voltes a pecar!

(Evangelho)

Visitar os presos!

(6ª OMC)

Assistir aos doentes

(5ª OMC)

 

 

Oração do

Ato de contrição

Semana Santa Depositou-o num sepulcro escavado na rocha onde ninguém ainda tinha sido sepultado! (Evangelho da Paixão)

 

 

 

Sepultar os mortos

(7ª OMC)

*

Rezar a Deus,

por vivos e defuntos

(7ª OME)

 

Trata-se de redescobrir o sentido pascal da morte, a oração de intercessão e a comunhão dos santos

 

 

 

Valorizar a participação

nas celebrações

do Tríduo Pascal

 

 

Faixa publicitária

NOTÍCIAS

Bispo, pastor para o nosso tempo – 7 de Março

A Diocese do Porto, preparando a ordenação do Padre António Augusto de Oliveira Azevedo como Bispo Auxiliar do Porto, ordenação marcada para as 15h30 de sábado 19 de março de 2016, no sentido de conduzir as comunidades cristãs a uma mais profunda compreensão do ministério episcopal, promove uma Mesa Redonda com o tema “Bispo, pastor para o nosso tempo”, que terá lugar na segunda feira, dia 7 de março de 2016, às 21h30, na Biblioteca do Seminário Maior do Porto (Largo D. Pedro Vitorino, à Sé do Porto). Esta Mesa Redonda terá a moderação do Cónego Jorge Teixeira da Cunha, Presidente do Cabido da Catedral, e terá as intervenções dos seguintes oradores: Cónego Arnaldo de Pinho, professor de Teologia, e dos jornalistas António Marujo, atualmente colaborador de vários órgãos de comunicação, onde aborda temas eclesiais, e Aura Miguel, jornalista da Rádio Renascença, que habitualmente acompanha as viagens e atividades pastorais do Papa, onde dispõe de uma larga e reconhecida experiência. A Diocese, através do seu vigário geral, convida os membros dos Secretariados e dos Movimentos Cristãos a participar neste encontro, que contará com a presença do candidato eleito à missão episcopal, António Augusto Azevedo, Reitor do Seminário Maior do Porto.

Faixa publicitária

“AMBIENTE DE PARTILHA E ORAÇÃO A ENVOLVER O ENCONTRO DE REFLEXÃO DO GRUPO DE JOVENS”

A Voz de Santo Ildefonso, acompanhou bem de perto, a tarde de retiro do grupo de jovens/acólitos da Igreja, no passado Domingo 21 de Fevereiro, que neste ambiente quaresmal, os fez refletir no sentido do ser cristão num mundo que precisa de misericórdia. Sob a orientação do Pe. Agostinho Pedroso, este encontro teve também em vista a recordação do documento Misericordia Vultus, lançada pelo Papa Francisco para o ano da misericórdia que estamos a viver. Momentos de partilha e oração também fizeram parte deste momento. No final não faltaram opiniões altamente positivas da parte dos jovens e do orientador.